04 de outubro – 14h às 17h

Mesa Redonda – Como implantar na escola um Projeto Antibullying? A experiência brasileira de formação de professores e o trabalho com Sistemas de Apoio entre os alunos

Breve descrição: O cotidiano da escola é marcado por inúmeras cenas de desrespeito. Uma delas, talvez a mais cruel para quem está envolvido, é o bullying. É, portanto, grande a necessidade de que, enquanto educadores, saibamos como intervir para a superação de um problema urgente, principalmente refletindo sobre a importância de um trabalho que leve em conta a tomada de consciência de valores morais que superem diferentes formas de preconceito e, sobretudo, que permita a manifestação e reconhecimento dos sentimentos dos envolvidos. Um caminho seguro para tanto é auxiliando nossos alunos a se fortalecerem para que se sintam respeitados. Por isso, a importância de espaços de colaboração e de aprendizagem dos valores morais. Sancionada recentemente, a lei antibullying em nosso país reitera a importância do trabalho com o problema do bullying no âmbito da prevenção e da formação de professores, nos exigindo assim um esforço para se estabelecer e organizar um programa de prevenção à violência onde os alunos atuem como protagonistas de suas ações. Assim, o esforço da presente mesa de trabalhos se direciona a apresentar propostas brasileiras em que um programa em que a convivência ética na escola seja um valor visto que a superação de formas de violência só é possível na urgência de seu contrário – de experiências positivas de convivência entre os iguais e com a autoridade na escola. Diferentes investigações sobre o tema das intimidações entre iguais têm mostrado que a eficácia dos programas de prevenção ao bullying se dá pela participação efetiva dos alunos nas escolas. São inúmeros os resultados positivos que se pode alcançar com a implantação de formas de apoio entre iguais que têm sido organizadas sistematicamente em diversos países. Uma das formas de apoio são o que chamamos de “equipes de ajuda”. Ao proporcionarmos a oportunidade dessas experiências, é possível o fortalecimento de toda a comunidade educativa e assim a consolidação dos princípios que fundamentam as práticas que se destinam a prevenir os comportamentos de intimidação, construindo assim um “programa” antibullying na escola. Um programa, exatamente porque este consiste numa sequência de ações sistematizadas, organizadas, intencionais, planejadas para o combate ao bullying como formas de prevenção ao problema já que se fortalece, neste ambiente, a experiência de formas de convivência respeitosa.

Instituições responsáveis: Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Moral (Unesp/Unicamp), Diretorias de Ensino Campinas Leste e Oeste e Secretaria Municipal de Educação de Campinas.
Data: 04/10.
Local: Fundação FEAC. Rua Odila Santos de Souza Camargo, 34 – Jardim Brandina. Campinas/SP.
Horário: 14h às 17h.
Número de vagas: 90.

Palestrantes: Luciene Regina Paulino Tognetta (coordenação) – Doutora pelo Instituto de Psicologia USP e pela Universidade de Genebra (Suiça). Pós-doutorado pela Universidade do Minho (Portugal). Professora do Departamento de Psicologia da Educação da Faculdade de Ciências e Letras da Unesp. Membro do Laboratório de Psicologia Genética da Faculdade de Educação da Unicamp e Líder do GEPEM Unesp/Unicamp. Autora do livro “A construção da solidariedade e a educação do sentimento na escola”, “A formação da personalidade ética: estratégias de trabalho com afetividade na escola”; “Perspectiva ética e generosidade” pela Editora Mercado de Letras. Autora também do livro “Quando a escola é democrática – Um olhar sobre a prática das regras e assembleias na escola” juntamente com Telma Vinha e organizadora da coleção “Cenas do cotidiano escolar” pela mesma editora. Autora de livros de literatura infantil pela Editora Adonis.

Darlene Ferraz Knoener  – Graduada em Pedagogia pelo Centro Universitário Adventista de São Paulo (1999). Especialista em Psicopedagogia pela UNIFAIMI (2004). Mestranda pela Faculdade de Ciência e Letras da Unesp – Campus Araraquara na linha de pesquisa Formação de Professores. Membro do GEPEM – Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Moral – Unicamp/Unesp.

Luciana Lapa – Graduada em Psicologia, Pedagogia. Especialista em Relações Interpessoais na escola e a construção da Autonomia Moral pela Universidade de Franca. Mestranda pela Faculdade de Ciência e Letras da Unesp – Campus Araraquara na linha de pesquisa Formação de Professores.  É membro do GEPEM – Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Moral – Unesp/Unicamp.

Inscrições: Vagas preenchidas por ordem de chegada.

EVENTO GRATUITO E ABERTO AO PÚBLICO.